Fake News: fuja delas!

Atualizado: Jun 18

Na saúde as notícias falsas já causam grandes prejuízos há muito tempo. Em tempos de pandemia as Fake News explodiram!



O Brasil figura como terceiro colocado (35%) entre os 12 países que mais consomem Fake News. Fica atrás apenas do México (43%) e da Turquia (49%) no levantamento do Instituto Roiters de Notícias.


E o público que mais compartilha Fake News são as pessoas com mais de 60 anos, antes da pandemia. Com a Covid19 o compartilhamento de notícias falsas explodiu em todas as faixas etárias e em todos os tipos de mídias.


É tanta notícia inventada que a população acaba por confundir o que é fato do que é fake.



Covid19 no foco das Fake News


Campeã das notícias falsas, a pandemia de Covid19 tem sido associada como conspiração e estratégia política; que o isolamento é mentira; que já tem vacina e tratamento mas estão escondendo de todo mundo; e outros tantos absurdos como a afirmação que café previne o novo coronavírus...

Segundo levantamento de pesquisadores da Fiocruz (via aplicativo 'Eu Fiscalizo'), 65% das Fakes News ensinam método caseiro para prevenção da Covid19, e 20% das notícias enganosas mostram métodos para curar a infecção.


Vacinas: outro destaque das Fake News


Há um verdadeiro movimento de notícias falsas disseminando informações contra a imunização de doenças. Tanto que o próprio Ministério da Saúde já considerou as Fake News como um problema de saúde pública também em função da baixa no índice de vacinação.


A SBim (Sociedade Brasileira de Imunizações) fez uma pesquisa. Listou dez principais fake news sobre vacinas e mostrou para pessoas em todo o país. Sete em cada 10 brasileiros acreditaram que pelo menos uma das afirmações era verdadeira.



Núcleos de checagem


Até o Ministério da Saúde criou uma central de checagem de Fake News através do whatsApp.

O núcleo do MS é o Saúde Sem Fake News e atende pelo número (61) 99289-4640. Qualquer pessoa que tenha dúvida de um conteúdo divulgado sobre saúde pode enviar pelo whatsapp. A equipe do Ministério da Saúde faz a checagem e publica no site da própria instituição informando se a notícia é falsa ou verdadeira.


Mais alguns núcleos de checagem de Fake News: O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, G1, O Globo, Agência Lupa, Aos Fatos, Uol Confere, Boatos org, E-Farsas, entre outros.



Dicas úteis


Algumas dicas que podem ajudar a combater Fake News:

  • leia a notícia inteira, ouça o podcast e assista ao vídeo integralmente;

  • verifique fonte e autoria

  • averigue data

  • faça buscas e comparações em mais de uma fonte (sites etc)

  • fique alerta com erros de português, títulos polêmicos, promessas milagrosas pois costumam ser fake news;

  • cuidado pois as notícias falsas, em geral, apelam para o emocional e pedem urgência no compartilhamento.


Sempre que tiver dúvida, não compartilhe.

E se identificar que é uma Fake News também avise quem compartilhou!



Inscreva-se e receba novidades

é um prazer ter você com a gente!

  • Cinza ícone do YouTube
  • Grey Instagram Ícone
  • Twitter
  • Facebook
  • Linkedin

© 2013 - 2020 by FazMuitoBem.

Faz Muito Bem - São Paulo - SP - contato@fazmuitobem.com